Orocílio Martins Gonçalves segue vivo na luta operária

A- A A+

Orocílio Martins Gonçalves segue vivo na luta operáriaNo dia 30 de julho de 1979, uma combativa greve sacudiu a cidade de Belo Horizonte (MG). A “Rebelião dos Operários”, como ficou conhecida, contou com a participação de milhares de trabalhadores que, revoltados com a situação de miséria e as arbitrariedades que sofriam, paralisaram praticamente todas as obras e foram às ruas numa massa furiosa que desafiou as forças policiais e a ordem do regime militar fascista.

Em artigo publicado na edição nº 135 de AND, em agosto de 2014, a Liga Operária e o Sindicato da Construção Civil de Belo Horizonte e Região (Marreta) recordavam:

“Os trabalhadores saíram dos canteiros de obra e concentraram-se na Praça da Estação. A polícia tentou cercar os manifestantes, que romperam o cerco partindo em passeata para o antigo campo do Atlético, onde hoje funciona o Diamond Mall. [...]

Nos últimos dias de julho, o comércio cerrou suas portas no centro de Belo Horizonte. O antigo campo do Atlético foi palco de concorridíssimas assembleias, nas quais milhares de operários despertaram-se para a luta.

No dia 30 de julho, a cidade parou.

A tropa da PM investiu contra os operários com cacetadas e disparando armas de fogo. Um dos tiros disparados pela PM atingiu o peito do operário tratorista Orocílio Martins Gonçalves, que caiu mortalmente ferido. Os operários responderam com pedradas e a repressão recrudesceu. Trabalhadores tentaram resgatar o corpo do companheiro morto, mas foram impedidos pela saraivada de balas que a PM continuou a disparar. O muro lateral do ex-campo do Atlético ficou marcado de balas. Até hoje os assassinos do companheiro Orocílio Gonçalves, 24 anos, pai de um filho, continuam impunes.”

O companheiro Orocílio é reconhecidamente um mártir da classe operária e, em sua homenagem, em 3 de abril de 2000, companheiros e companheiras fundaram a Escola Popular Orocílio Martins Gonçalves, que funciona em Belo Horizonte. Como definem seus fundadores, ela tem como “questão central a política e a definição ideológica” de “posições das classes revolucionárias”. Seus princípios podem ser resumidos da seguinte forma: 1) São as massas que fazem a história e as massas decidem tudo; 2) Sustentar-se com as próprias forças; e 3) Coordenação coletiva e trabalho coletivo.

O exemplo de Orocílio segue vivo na atuação dos militantes operários e revolucionários que, em nossos dias, lutam pelo resgate do sindicalismo classista e contra o oportunismo das centrais sindicais que cavalgam as lutas dos trabalhadores.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait