A política do encarceramento

A- A A+

— O quilo do arroz aumenta, o quilo do feijão aumenta, o governo tá fazendo a gente comer miojo. Você chega em casa sem nada, vai dizer o que para a mulher? O cara não quer saber, no fim do mês quer o dinheiro do aluguel! Ele não arruma emprego, tenta trabalhar aqui, mas a Guarda Municipal [GM] fica sufocando. Termina que o cara vai para a pista roubar. Alguns tiveram “passagem”. Eles tentam trabalhar vendendo as mercadorias.

Fotos: Ellan Lustosa/ AND

— Eles [GM] sufocam, levam tudo, não deixam trabalhar. Estão empurrando os menor para voltarem para o tráfico. Eu não quero meter a mão no fuzil e ficar dando tiro em polícia, eu quero trabalhar! Mas eles vieram e levaram as mercadorias. Aqui mesmo do meu lado têm quatro menores que trabalharam no tráfico, têm passagem. Estão empurrando eles para voltarem [para o crime].

Esses são alguns depoimentos colhidos em entrevistas com camelôs que vêm sofrendo ataques da Guarda Municipal. Repressão esta amparada por uma campanha raivosa do monopólio de imprensa que descarrega sobre o povo trabalhador a culpa de todos os problemas. Sim, é verdade, o enchimento das calçadas está cada vez maior.  E esses são trabalhadores tentando sobreviver com um trabalho digno, ainda.

Quando não são reprimidos pela GM, entram em ação os seguranças de empresas particulares que têm concessão do estado, como o metrô. Em todos esses casos os camelôs têm reagido bravamente às investidas da repressão. É a resposta do povo que não aguenta mais essa política de sufocamento.

O aumento de vendedores ambulantes nas calçadas, nos trens, metrôs é fruto de um sufocamento promovido por uma política genocida desse velho Estado. Empregos com salários miseráveis para uma força de trabalho que não obteve nenhuma condição de formação é a meta desejada pelas classes dominantes.

 Estão jogando a população para o crime. Sem opção de emprego, muitos só encontram trabalho no mercado varejista de drogas, que é  precursor do absurdo crescimento carcerário.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Essa é a política que está empurrando cada vez mais pessoas para o crime. Política de um velho Estado corrupto que se alimenta da falta de emprego, saúde e educação para mascarar que seus rios de dinheiro desviados têm resultado no crescimento de um mercado, o  carcerário. Um projeto que visa a destruição do que ainda resta da educação.

Repito aqui uma frase que me marcou, dita por Darcy Ribeiro em 1982: “Se os governadores não construírem escolas, em 20 anos faltará dinheiro para construir presídios”. A falência na educação é um projeto. O aumento da superexploração do trabalhador é um projeto. Mas o que temos visto é uma população que não suporta mais as opressões e a exploração dando respostas, ainda que a sua maneira, contra essa política escravagista.

tag:

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait