Índios Tapeba vão às ruas

A- A A+

No dia 27 de julho, o povo Tapeba tomou as ruas de Caucaia (região metropolitana de Fortaleza) em protesto contra a impunidade de assassinatos de índios na região, o último dos quais vitimou o jovem trabalhador Tapeba Carlinhos, de 25 anos, que residia na área retomada em abril na aldeia do Trilho, onde era muito querido. Foi assassinado violentamente no dia 30 de junho à golpes de ferro cortante, chegando a ser degolado.

Como era de se esperar o assassinato de um filho do povo não enche as manchetes dos jornais (apenas pequenas notas em jornais locais, escritos e falados) e não se ouve a histeria fascista de fim da violência, aumentar presídios, isolamento, etc, etc, porque as classes dominantes só consideram violência o que as atinge. Se se tratasse de um jornalista famoso, um filho de deputado, um executivo assassinado pelo próprio filho, não se falaria de outra coisa. Mas, para as autoridades de Caucaia, a morte de um índio não pesa mais que a de um cão vira-lata; basta apenas removê-lo da estrada e deixar para lá.

Os Tapeba, no entanto, são um povo em luta por preservar seus costumes, se instruir e retomar suas terras, que foram usurpadas, e não deixa barato as agressões contra sua gente. Centenas de índios se juntaram em Capuan (distrito de Caucaia) e marcharam até a sede do município, distante cerca de 3Km. A manifestação contou com a participação de 10 comunidades (aldeias) Tapeba: Sobradinho, Ponte, Trimbé, Capoeira, Trilho, Capuan, Jardim, Coité, Lagoa I e Lagoa II. Muitos manifestantes estavam em seus trajes tradicionais e destacou-se um grupo de guerreiros dançando o Toré (dança típica) durante todo o percurso, cumprido quase que "no choto" (passo característico da dança). A passeata chamava a atenção por onde passava; a população saía às ruas para olhar aquela gente determinada. Era estimulante ver aqueles homens, mulheres, muitas grávidas e crianças, algumas bem pequenas, exigindo do Estado a apuração dos assassinatos e punição dos responsáveis.

Protestavam contra a irresponsabilidade e o descaso das ditas "autoridades competentes". Não faltou solidariedade: o Comitê Sindical de Apoio esteve presente com representantes de vários sindicatos e o carro de som foi providenciado pelo Sindicato dos Comerciários. Ao final, concentraram-se em frente à Câmara de Vereadores de Caucaia e protestaram contra os políticos, que em época de eleições dizem representar o povo, mas fechadas as urnas o que fazem é se locrupetarem. As falas dos tapeba sempre alertavam que destes políticos nada podemos ter, com as eleições nada podemos mudar e que o povo só pode garantir seus interesses com árdua luta. Antes de mais nada, o que se viu em Caucaia foi a força e a iniciativa de um povo que se levanta contra as injustiças, que sofre contra a impunidade dos que o oprime, mostrando ali que aprendeu a lutar com suas próprias forças, por seus interesses e que não mais será enganado por quem quer que seja.

Assine já!

Receba quinzenalmente a edição impressa
do Jornal A Nova Democracia no seu endereço
e fortaleça a imprensa popular e democrática.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja
Rafael Gomes Penelas

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait